Ortodontia e Ortopedia Facial

Ortodontia e Ortopedia Facial
É a Ortodontia que se ocupa da prevenção e correção dos defeitos da posição dos dentes, como apinhamentos, dentes desnivelados, correção da mordida (oclusão). O tratamento ortodôntico pode ser feito em pacientes de todas as idades, desde que seja respeitado os limites biológicos de cada um.
Já a Ortopedia Facial, pode se tratar casos que apresentem problemas de mal relacionamento das bases ósseas, como por exemplo retrusão ou protusão mandibular ou maxilar, através do estímulo, inibição ou redirecionamento do crescimento da maxila e/ou mandíbula. Por depender do crescimento, a Ortopedia Facial deve ser realizada em crianças durante o período de crescimento (6 a 12 anos de idade). O fator idade associado ao tipo de má oclusão são as primeira características a serem avaliadas para se iniciar um tratamento ortodôntico, cada paciente responde de maneira diferente ao tratamento ortodôntico.

Dentes alinhados e nivelados suportados por uma gengiva saudável, influi muito na aparência do indivíduo, interferindo diretamente em sua auto estima.

Os problemas de má oclusão podem ser hereditários (dentes apinhados ou separados demais, falta ou excesso de dentes, etc...) ou adquiridos (hábito de chupar dedo, posicionamento incorreto da língua, respiração deficiente, perda precoce de dentes, etc...). Algumas más-oclusões devem ser tratadas o mais cedo possível, afim de impedir que os danos causados sejam maiores.
A Ortodontia melhora a oclusão promovendo uma melhor distribuição das forças exercidas sobre os dentes, protegendo-os dos traumas que podem causar em seu periodonto (gengiva, osso e ligamentos).
Qualquer que seja o tipo de tratamento escolhido, o paciente precisa estar motivado para iniciá-lo; entender o problema e quais são os objetivos do tratamento, ajuda muito na colaboração.
O tratamento ortodôntico pode ser feito em duas fases: a primeira ocorre antes da completa erupção dos dentes permanentes, através do uso de aparelhos ortodônticos removíveis(atuando à nível dentário) ou ortopédicos (estabelece um correto relacionamento entre bases ósseas, maxila e mandíbula).
Na segunda fase, normalmente o paciente utiliza um aparelho fixo, que proporciona um melhor alinhamento e nivelamento. Com o uso de aparelhos fixos um melhor engrenamento entre os dentes superiores e inferiores é obtido, restabelecendo uma oclusão equilibrada.